30 de ago de 2010

Couscous



Ele é diferente daquele Cuzcuz brasileiro feito com flocos de milho, ovos, peixe e ingredientes diversos, que eu particularmente não sou muito chegada.
Esse Couscous escrito de forma "afrancesada" é o nome do ingrediente, uma farinha de sêmola de cereais, originária do norte da África, e também é o nome do prato, misturado com os legumes de sua preferência, servido como acompanhamento ou salada.

Eu gosto de fazê-lo como acompanhamento, quentinho, com carnes vermelhas ou brancas, peixes, ele combina com tudo!

Aqui no Brasil ele é vendido em caixinhas, pré-cozido, é só hidratá-lo com água ou caldo. Recomendo usar um caldo messssmo, não tablete... fica mais suave e saboroso. Em 5 minutos ele estará hidratado, aí é só acrescentar manteiga ou azeite, para que ele fique soltinho.

Eu misturei abobrinha e cenoura branqueadas (escaldadas rapidamente), cebola e tomate refogados no azeite (só pra murchar um poquinho), muito azeite honesto, sal e cebolinha.

Aqui em casa tenho sempre uma caixinha de Couscous na despensa!

11 de ago de 2010

Quiche Lorraine



Há algum tempo as quiches me davam medo. Parecia tão trabalhoso, tão complicado... Mas depois que você vê o resultado saindo do forno tão lindo e cheiroso, você vê que vale a pena! Enfim comecei a fazê-las e o mito se foi! São uma terapia e deliciosas!

A base do recheio das quiches é sempre a mesma: creme de leite fresco e ovos. A partir daí você pode viajar e criar sabores variados. A Quiche Lorraine é um clássico da culinária francesa e leva bacon e queijo gruyere, sucesso na certa.

Mais uma receita do livro Cozinha Regional Francesa, da coleção Receitas Caseiras Le Cordon Bleu. Aqui, minha única conseideração é que o recheio ficou fininho, achei que poderia "encher" mais a massa, mas isso talvez tenha ocorrido porque minha forma deve ser maior, não sei... Mas as quiches são fininhas mesmo, né?

Vamos à receita, assim como está no livro:

Massa
  • 200 g de farinha de trigo
  • 1 col. chá de sal
  • 100 g de manteiga sem sal gelada, em cubos
  • 1 ovo
Peneire a farinha e o sal em uma tigela e, esfregando a manteiga com as pontas dos dedos, incorpore-a na farinha até obter uma mistura homogênea parecida com uma farofa. Faça uma cova no centro e coloque 1 ovo e 1 col. de sopa de água (eu não coloquei a água). Amasse rapidamente até incorporar e forme uma bola, cobra com papel filme e coloque na geladeira por no mínimo 30 minutos.
(Aqui, é importante trabalhar com a massa gelada, e não trabalhá-la muito, para que ela fique quebradiça e crocante. O processo é bem rápido, somente até incorporar todos os ingredientes.)
Pré- aqueça o forno a 180ºC. Unte levemente uma forma de torta de 24cm com o fundo removível. Abra a massa sobre uma superfície enfarinhada até uma espessura de 2-3 mm e forre a forma preparada, usando o rolo da massa para aparar o excesso. Refrigere por 10 minutos. Forre a massa com papel manteiga e encha com feijão seco. Leve 25 minutos ao forno. Retire os feijões e o papel, e pincele a massa com 1 ovo batido. Leve ao forno por mais 7 minutos, para selar o fundo, evitando assim que a massa absorva a umidade do recheio.

Recheio
  • 180 g de bacon em tirinhas
  • 3 ovos
  • 1 pitada de noz moscada moída
  • 250 ml de creme de leite fresco
  • 80 g de queijo suíço ralado
(Aqui, eu usei umas 100g de queijo gruyere ralado, acrescentei mais 100ml de creme de leite e mais 1 ovo, porque achei o recheio muito ralinho, e deu certo!)
Salteie o bacon até ficar crocante, reserve. Bata os ovos com a noz moscada, junte o creme de leite e tempere com sal e pimenta do reino.
Espalhe o bacon no fundo da forma sobre a massa preparada e cubra com a mistura líquida. Leve ao forno por 20 minutos ou até o recheio estar firme e dourado.

Vai por mim, ela só parece complicada, mas não é! Vale a pena!

3 de ago de 2010

Polpetas a Parmegiana



E aqui estão as Polpetas do post anterior! Sinceramente eu acho que foram as melhores que já fiz. Molho de tomates fresco, muito parmesão, e só não ficaram perfeitas para o marido pois ficaram bem firmes. Eu tenho tanto medo de fazer polpetas quebradiças que acho que liguei demais a massa. Mas eu prefiro assim, bem firmezinhas, não curto aquelas polpetas que despedaçam quando você corta. Mas vai de gosto, né, não??

Inpirada por esta receita da Pat, eu fui fazendo tudo de olho.
500g de carne moída, acrescentei 1/2 cebola refogada no azeite com alho, adicionei manjericão, salsa, queijo parmesão ralado na hora, 1 ovo, farinha de rosca, um pouco de leite, sal, cominho e noz moscada. Misturei bem até ligar a massa.
Formei as bolinhas, dourei-as bem no azeite de todos os lados e terminei assando-as no forno por uns 20 minutos.
Enquanto isso fiz um molho com cebola, tomate pelado e manjericão, só!
Forrei um refratário com um pouco do molho, coloquei as polpetas assadas, cobri com molho e acrescentei muito parmesão ralado fresco. Levei ao forno para gratinar.


Nesse friozinho ó... Tô querendo fazer de novo!!

27 de jul de 2010

Polpetinha e Arancini





Arancini é um tradicional bolinho italiano de risoto recheado com muzzarella.
Muitos blogs amigos já haviam publicado o Arancini, e por incrível que pareça eu nunca havia feito. É realmente difícil eu ter sobras de risoto na minha geladeira!

Pois bem, neste dia eu tinha não só sobras deste risoto, como também algumas polpetinhas. O resultado foi uma entrada incrível. Rústica, caseira, bem italiana, a minha cara.
O processo para o Arancini é suuuuper simples. Eu misturei 2 ovos ao risoto, a mistura ficou úmida demais, então acrescentei um pouquinho de farinha de trigo, até dar para enrolar. Formei bolotas de risoto, recheei com queijo prato, passei num ovo batido e na farinha de rosca.
O ideal é deixar os bolinhos descansarem um pouco antes de fritar, mas a fome aqui (e a curiosidade) falou mais alto e eu fritei na hora, em bastante óleo, até dourar. É só servir sobre o molho das polpetinhas, feito só com tomate fresco, alho, cebola e manjericão.

A receita das polpetinhas fica para o próximo post!! Eu garanto que vale a pena esperar um pouquinho!

14 de jul de 2010

Sopa de alho e zucchini



Acabou a mamata dos dias quentes em pleno inverno, e assim, voltam a sair sopinhas reconfortantes da minha cozinha!

Eu tenho muitos livros de culinária, e não reproduzo tantas receitas deles como eu gostaria, mas tenho me empenhado em fazer receitas dos meus livros, ainda mais depois que assisti ao filme Julie & Julia, realmente inspirador!!

Esta receita é do livro Cozinha Italiana, da coleção Le Cordon Bleu - Receitas Caseiras. Já falei sobre a coleção aqui, os livros são ótimos, com receitas que não falham mesmo!



Alguns podem torcer o nariz para uma sopa de alho, mas eu agarantcho, ela é uma delícia! Eu também não estava confiando na receita, até o último momento eu duvidava que ela ficaria boa, porém fui surpreendida pelo sabor desta sopa quando vi que o alho ficou bem suave e o perfume do manjericão deu aquele toque especial.

  • Azeite q.b.
  • 1 cebola bem picada
  • 2 cabeças de alho bem picados (sim, duas cabeças!)
  • 2 batatas picadas (eu usei umas 6 das pequenas)
  • 2 litros de caldo de galinha
  • 2 abobrinhas
  • manjericão picado q.b.

Refogue a cebola e o alho no azeite até dourar. Junte as batatas picadas e frite durante 2 minutos, mexendo sempre. Adicione o caldo e deixe cozinhar em fogo baixo por 30 minutos. Espere esfriar um pouco.
Apare as pontas das abobrinhas e corte-as em 4 partes ao longo do comprimento e depois em fatias finas. Bata a sopa no liquidificador ou no mixer (eu bati com o mixer direto na panela). Volte a sopa para a panela e aqueça, retirando a espuma que se forma na superfície com uma escumadeira. Adicione as abobrinhas e cozinhe durante 25 minutos ou até estarem macias.
Tempere à gosto com sal e pimenta e adicione o manjericão imediatamente antes de servir. Eu ainda reguei com um fio de azeite.

Esquente-se!!

6 de jul de 2010

Festa Junina by Fabi

Eis aqui o motivo do meu sumiço na semana passada. Depois de muito trabalho e muitas horas no fogão, fiz a festa de aniversário da cunhada, uma festa junina. Tudo combinado com o irmão e iríamos fazer a festinha que a mãe do Enzo e do Nuno (na barriga ainda!) tanto queria. Ela ficou toda emocionada, adorou a surpresa, e todos ficaram felizes! Enfim, espero que esta tenha sido apenas a primeira!

A festa só poderia ter acontecido com a ajuda da mama, que arregaçou as mangas e me ajudou em tudo, nas compras, nas sobremesas, no famoso quentão e me cedendo a cozinha enorme com fogão de 6 bocas... Aqui em casa ia ficar difícil fazer tudo!

No cardápio: pipoca, pinhão, milho verde, pão de queijo, mini hot-dog, mini sanduiche de carne de panela, caldo verde no copinho, cocada, paçoca, pé de moleque, doce de abóbora, bolo de milho cremoso, canjica da mama, quentão e vinho quente. Uuuuuufa!!!

Foi simplesmente o máximo, ao final de 4 dias eu estava completamente esgotada, imaginem a coitada da mama... Valeu super a pena. Declaro a mamãe minha ajudante oficial para eventos, e declaro aqui aberta a Cozinha da Fabi para pequenos jantares e festinhas.

23 de jun de 2010

Risoto de tomate fresco, rúcula e mussarela de búfala



Sim, na onda da Salada Caprese, no dia seguinte fui de risoto, com os mesmos ingredientes. Tudo regado com pesto e azeite no final. Posso falar?? Ficou incrível!

Fazia tempo que eu queria usar tomate, mussarela e rúcula no risoto. O tomate fresco deu super certo, já que o seco não agrada muito aqui em casa. A foto não favorece muito, eu sei... mas eu acabei com todo o manjericão que poderia decorar o prato, a rúcula estava meio muxibinha e eu já estava um tanto embriagada de vinho, pois eu simplesmente AMO cozinhar com uma taça de vinho do meu lado (e a tarefa do marido é deixá-la sempre cheia).

Eu usei:
  • 2 colheres de sopa de manteiga
  • 1/2 cebola bem picada ou ralada
  • 1 xícara de arroz arbóreo ou carnaroli
  • 1/2 xícara de vinho branco seco
  • 1 tomate picado
  • 1 litro de caldo de legumes
  • 1 xícara de mussarela de búfala picada grosseiramente
  • Folhas de rúcula rasgadas
  • Molho pesto
  • Parmesão ralado na hora

Aqueça 1 litro de caldo de legumes. Refogue a cebola na manteiga, adicioneo arroz e envolva bem. Adicione o vinho e deixe evaporar, mexendo sempre. Adicione 2/3 do tomate picado, assim o risoto ficará com um tom vermelho bem lindão. Vá adicionando o caldo, 1 concha por vez, deixando evaporar, mexendo sempre, até que o arroz esteja al dente. Acrescente o restante do tomate, a mussarela, e o parmesão e mexa bem, para derreter o queijo. Acerte o sal. Por último coloque a rúcula. Sirva o risoto em um prato e regue com o Molho Pesto.

Abra um bom vinho e delicie-se! No meu caso, eu abri outro vinho...
Ai ai... Já falei que adoro essas comidinhas de inverno??

16 de jun de 2010

Salada Caprese Grelhada



Tenho uma certa obsessão por programas culinários. Quando estou sapeando os canais na TV e vejo alguém cozinhando eu paro na hora e nem ouço o mundo ao meu redor. Até mesmo a Nigella (com quem não simpatizo nada) me pega de vez em quando.

Esta salada veio do novo programa do sensacional Claude Troisgros, o Que Marravilha! Neste programa ele vai até a sua casa e te ensina truques culinários! É suuuuper.

Achei esta idéia simplesmente fantástica e logo coloquei em prática. Uma ótima alternativa para a salada de todos os dias e uma entrada maravilhosa e super fácil que impressiona qualquer um.

Ah, e que seja dito, qualquer prato que leve Pesto me agrada, e muito! O molho pesto saiu no melhor olhômetro que já tive: no mini processador entraram azeite, castanhas de caju moídas, parmesão ralado na hora e manjericão. Acertei o sal e coloquei mais azeite. Rendeu bastante e ele foi usado em outros pratos que estarão aqui em breve... Eu já falei que amo pesto??

No site você encontra a receita detalhada, eu não segui muito as quantidades, é só ir intercalando os ingredientes.

  • Tomates maduros em fatias (temperei com sal)
  • Mussarela de búfala em fatias
  • Palmito em fatias (usei o pupunha em conserva)
  • Pão ralado - eu usei um pão francês integral que estava esquecido, ralando no ralador mesmo e misturei com parmesão ralado na hora.
Monte os ingredientes: tomate, mussarela, tomate, palmito, tomate, mussarela e tomate. Passe na mistura de pão e leve à frigideira com azeite, dourando rapidamente cada lado.

Sirva sobre o molho pesto e enjoy!!



Receitinha tudo a ver com o novo lay out do blog!! Gostaram??

10 de jun de 2010

Cinnamon Rolls e o Retorno!!



Queridos amigos, estou muito feliz por voltar ao blog, finalmente me dedicando ao que realmente AMO fazer: cozinhar e publicar. Estou trabalhando em alguns projetinhos para minha vida, e enquanto isso, espero que o blog volte a bombar novamente!

Bom, como qualquer retorno triunfante, posto aqui uma receita que estava há tempos na minha to do list e que finalmente executei!! Foi muito mais fácil do que eu imaginava, e quero muito testá-la novamente com outros sabores.

A receita do Cinnamon Roll na máquina de fazer pão é da Cinara, ela tem outras receitas para máquina ótimas! Para mim foi uma mão na roda, eu só tirei a massa da máquina e fiz os rolinhos. Show. Ah, outra coisa, eles crescem bastante, então da próxima vez farei rolinhos menores e mais fininhos, para aproveitar mais o recheio e ficarem mais parecidos com os originais!
Sem mais delongas, vamos à receita:

Cinnamon Rolls

Massa:

  • 1 xícara de leite morno
  • 1 ovo grande
  • 4 col. sopa de manteiga
  • 3 1/2 xícaras de farinha de trigo
  • 3 col. sopa de açúcar
  • 1/2 col. chá de sal
  • 2 col. chá de fermento biológico seco

Recheio:

  • 1/4 de xícara de manteiga derretida
  • 1/4 de xícara de açúcar (usei mascavo)
  • 2 col. chá de canela em pó

  • Opcional: Nozes picadas e uvas passas a gosto

Ponha os ingredientes na máquina na ordem acima, ligue no ciclo Massa. Quando o ciclo terminar, polvilhe uma superfície com farinha. Tire a massa da máquina e sove durante um minuto. Deixe-a descansar por 15 minutos.

Abra a massa em um retângulo de 35cm por 25cm. A massa é suuuuper macia, eu abri com a mão mesmo, nem precisou de rolo. Espalhe a manteiga derretida sobre ela e, em seguida, o açucar com canela.
Enrole a massa feito rocambole, a partir do lado maior. Corte a massa em 12 rolinhos de cerca de 3cm. Disponha os rolinhos em uma fôrma de 33cm por 23cm, untada, cubra e deixe crescer em um local quente até dobrar de tamanho, por 30 a 45 minutos.

Asse em forno pré-aquecido por 20 a 25 minutos, até dourar. Deixe esfriar na fôrma. Enquanto isso misture 1 xícara de açúcar de confeiteiro com 1 ou 2 colheres (sopa) de leite, e 1/2 colher (chá) de baunilha. Se quiser um glacê mais fininho, é só acrescentar mais leite.

Eu nem deixei esfriar, comemos quentinhos, saídos do forno. :)

15 de set de 2009

Batatas Rústicas



Acompanhamento perfeito para carnes, peixes, ou o que mais a sua imaginação mandar! Não requer prática, tampouco habilidade!


Pegue algumas batatinhas, dentes de alho inteiros (com casca e tudo) e envolva em bastante azeite, sal granulado (ou sal grosso) e ervas secas da sua preferência (eu usei tomilho, manjerona, sálvia). Leve tudo ao forno, até dourarem e ficarem macios. Retire do forno e acrescente alguns tomates cereja. Volte ao forno por 5 a 10 minutos. Pronto!!


Devorei até os dentes de alho assados...Uma delícia!!

Você pode acrescentar ainda outros legumes de sua preferência. Mini-cebolas, pimentas cambuci... Ficam ótimas assadas! Enjoy!

9 de set de 2009

Carré de Cordeiro



Eu sei... eu sei que ando sumida... Mas tenho trabalhado demais, o marido sempre viajando, e a minha cozinha literalmente às moscas... Enfim... Sei que preciso arrumar tempo para o meu passatempo preferido e ainda visitar os blogs amigos! Ainda chego lá!

Mesmo sem cozinhar quase nada por quase 2 meses, ainda tenho algumas fotos no meu arquivo... Aqui vai o Carré de Cordeiro que preparei para o marido simplesmente delirar!

Acompanhado somente de uma saladinha e algumas pimentinhas biquinho. Perfeito!
Basta temperar o carré inteiro com sal e azeite, esquentar bem a frigideira, selar de todos os lados e levar ao forno a 200ºC por 10 minutos. Eu gosto mal passado, acho ideal pois ficam bem macios. Se você gosta bem passado, deixe mais tempo no forno, porém correm o risco de ficarem mais duros.
Eu também prefiro carnes temperadas apenas com sal, pois mantém o sabor da carne. Não curto muito temperos e marinadas para carnes vermelhas. Mas isso é ao gosto do freguês, certo??

Enfim, retire a peça do forno e corte os carrés entre os ossos, separando-os. Volte-os para a frigideira e sele-os novamente, para que fiquem dourados.

Pronto! Delicie-se!

25 de jun de 2009

Fettuccine Nero di Sepia al Mare



No mesmo dia em que fiz o Tartar de Atum, fiz esta massa lindona num jantar para o marido. Como eu adoooro fazer a minha própria massa, gosto de sempre dar uma variada. E fazia tempo que queria fazer massa com Tinta de Lula, assim pretinha, charmosa, gostosa! Acho que combina demais com frutos do mar, além de ficar lindo!

Só as suas unhas irão sofrer! Fiquei com os dedos tingidos por um tempo, parecendo mão de graxa de mecânica! Mas valeu a pena!

A receita é aquela basicona mesmo:
  • 300g farinha
  • 3 ovos
  • 1 col. sopa de óleo
  • 1 envelope de tinta de lula
  • sal q.b.

Eu usei apenas 1 envelope, mas da próxima usarei 2 e acho que a massa ficará bem preta, mais brilhante e bonita.
A tinta de lula eu comprei aqui e paguei cerca de 10 pilas.

Para o molho:
  • 5 tomates sem pele e sem sementes picados
  • 1 cebola picada
  • 300g frutos do mar - mariscos, camarões, lula e polvo. Comprei um saquinho para Paella no mercado que já vinha tudo!
  • Folhas de manjericão
  • Cebolinha picada
  • Sal q.b.

Refogue a cebola e os tomates, tampe a panela e deixe cozinhar até que os tomates desmanchem. Se necessário acrescente um pouco de água. Eu não deixo os tomates desmancharem muito, pois gosto do molho pedaçudo. Acrescente os frutos do mar, crus mesmo, e eles irão cozinhar no molho. Não deixe cozinhar muito tempo, senão ficam duros. Os frutos cozinham rapidinho! Adicione as folhas de manjericão, acerte o sal.
Um bom vinho... e pronto!

22 de jun de 2009

Tartar de Atum com Emulsão de Wasabi



Uma entrada com um toque requintado e super fácil de fazer! Impressiona qualquer visita, ou para aqueles dias em que bate uma vontade de comer algo diferente e saboroso. O único trabalho é picar os ingredientes bem pequenininhos.

Para este prato, o peixe deve ser super fresco e de um fornecedor de confiança. Esta ainda é uma ótima opção para aqueles que não curtem muito peixe cru, mas estão a fim de começar. Ele é super temperadinho e uma de-lí-cia!

Aqui não há regras para a quantidade de ingredientes. Tudo pode variar de acordo com o gosto do freguês, oraite? É só ir provando e testanto!

  • 300g de atum fresco
  • 1 cebola roxa picada
  • talos de cebolinha (somente a parte branca) muito bem picada
  • shoyu
  • algumas gotas de limão siciliano
  • folhas de manjericão fresco cortadas fininho
  • azeite
  • gotas de óleo de gergelim
  • sal q.b.

Pique o atum em cubinhos bem pequenos. Misture todos os ingredientes em um bowl e deixe tomar gosto na geladeira por 30 minutos.

Para a emulsão de wasabi:
  • 4 col. sopa creme de leite fresco (pode ser o de caixinha)
  • 1 col. café de wasabi (pasta ou pó) - aqui a quantidade de wasabi também é ao gosto do freguês. Eu curto very hot, então coloquei mais!
  • gotas de óleo de gergelim
  • sal q.b.
Bata os ingredientes com um fouet até encorpar. Acrescente algumas gotas de óleo de gergelim e acerte o sal.

Na hora de servir, coloque o molho de wasabi em um prato e com a ajuda de um aro monte o tartar por cima. Decore com raspas de limão, sementes de gergelim, cebolinha picadinha, folhas de manjericão... Eu coloquei tudo isso!

16 de jun de 2009

Lasanha a Bolonhesa



Depois de um feriadão de muito descanso e comilança, aqui vai uma receita nada light, mas simplesmente maravilhosa. Não precisamos discutir que não existe uma pessoa que não goste de lasanha. Uma massa deliciosa e que agrada a todos. Com presunto, sem presunto, com molho bolonhesa, ao sugo, quatro queijos... Todos tem a sua versão!

A minha versão é a mais simples, porém os preparos não são nada básicos. Os molhos devem ser bem feitos e a massa caseira.

Para a massa:
Receitona básica: 100g de farinha de trigo para cada ovo. Eu usei 300g de farinha e 3 ovos. Uma pitada de sal e uma colher de sopa de óleo de canola. Sove bem com as mãos até que a massa fique lisa e homogênea. Abra na máquina para massas até a espessura desejada e deixe secar um pouco em uma cadeira, varal ou como eu, na porta do fogão.
Depois corte em pedaços de 12cm cada e cozinhe em muita água com sal e óleo. Reserve-as em uma tábua sem sobrepor para não grudarem.



Para o Molho Bolonhesa:
  • 1 cebola picada
  • 1 cenoura picada
  • 1 talo de salsão picado
  • 1 lata de tomate pelado
  • 8 tomates sem pele e sem semente picados
  • 350g de acém moído
  • 1 xíc. vinho branco
  • 1 xíc. leite
  • noz moscada q.b.
  • cominho em pó q.b.
  • sal q.b.


Refogue a cebola, a cenoura e o salsão na manteiga por uns 3 minutos. Bata tudo no liquidificador com a lata de tomate pelado. Reserve.
Frite a carne moída até perder a coloração vermelha, acrescente o vinho branco e deixe secar. Acrescente o leite, a mistura batida e os tomates. Tampe a panela e deixe cozinhar até que os tomates desmanchem. Se necessário coloque um pouco de água quente. Tempere com o cominho, a noz moscada e o sal. Se o molho estiver aguado, retire a tampa e deixe o molho espessar cozinhando mais um pouco.

Para o molho Bechamel:
  • 1 litro de leite
  • 1/2 cebola piquet - 2 dentes de cravo e 1 folha de louro espetados em meia cebola.
  • 40 g farinha de trigo
  • 40 g manteiga sem sal
  • noz moscada q.b.
  • sal q.b.


Aqueça o leite com a cebola até atingir fervura. Abaixe o fogo e deixe por mais 15 minutos. Derreta a manteiga e acrescente a farinha. Vá adicionando o leite temperado nesta mistura mexendo sempre para não empelotar. Deixe cozinhar mais um pouco mexendo sempre até o molho engrossar.
Para ver o ponto do bechamel: encoste as costas de uma colher no molho, risque com o dedo. O molho não deve escorrer na parte riscada. Este ponto chama-se napê. Outro teste é colocar um pouquinho de molho entre os lábios e não deve-se sentir grumos de farinha, ou aquele molho "farinhento".
Tempere com a noz moscada e o sal.


Montagem da lasanha:
Em uma assadeira, uma camada de molho bolonhesa, uma camada de massa cozida, uma camada de queijo mussarela, uma camada de molho bechamel, uma camada de massa... E assim por diante, finalizando com o molho bolonhesa e uma camada generosa de parmesão ralado na hora. Leve ao forno até gratinar.

9 de jun de 2009

Bolo Formigueiro



Ultimamente eu ando super doceira. Eu nunca fui muito de doces, sempre preferi o repeteco do prato quente, ou quando queria beliscar, ia num salgado, lanche, bobagem, friturinha. Os doces sempre foram minhas últimas opções. Pois não sei se é a idade chegando, os hormônios doidões, mas ultimamente eu sempre tô beliscando um docinho. Comecei até a fazer bolos e tortas quase toda semana. Aqui em casa agora sempre pinta algo, coisa que sempre foi muito rara.

Tinha um pacote de granulado dando sopa no armário faz tempo. Quando estava folheando o livro Carlota - Balaio de Sabores (já falei varias vezes deste livro), vi esta receita ótima e perfeita para desencalhar este granulado sem ter que fazer brigadeiro!

Esta receita de Bolo Formigueiro está no capítulo entitulado A memória do paladar, no qual a autora resgata algumas receitas daquelas anotações perdidas nas gavetas da cozinha, e que merecem ressuscitar! Isso defitivamente é a minha cara. Vai na onda do Caldo Verde lá em baixo, né??

Bolo Formigueiro

  • 1/2 xíc. chocolate granulado
  • 4 col. sopa coco fresco ralado
  • 1 col. sopa fermento em pó
  • 2 xíc. farinha de trigo
  • 1 xíc. leite
  • 2 xíc. açúcar
  • 200 g. manteiga sem sal
  • 4 ovos


Bata as claras em neve com 1 pitada de açúcar e reserve. Bata as gemas com o açúcar, a manteiga, o leite e a farinha. Por último acrescente o fermento, as claras, o coco e o chocolate granulado. Distribua a massa em uma forma untada e leve ao forno pré-aquecido a 160ºC por aproximadamente 30 minutos.
No meu forno a temperatura mínima é 180ºC, eu assei nesta mesmo e fui fazendo o teste do palito.

Cobertura
  • 4 col. sopa açúcar
  • 4 col. sopa leite
  • 2 col. sopa manteiga sem sal
  • 4 col. sopa Nescau ou chocolate em pó

Leve tudo ao fogo até ferver.

Desenforme o bolo morno e espalhe a cobertura ainda quente.

4 de jun de 2009

Caldo Verde



Neste suuuuper frio que está por aqui, estamos indo de sopa todos os dias. Quentinhas e saborosas, estou sempre variando nas sopas e cremes. Vocês verão vários por aqui. Algumas levinhas, outras com mais "sustância" como este Caldo Verde. Eu não era muito chegada a Caldo Verde, até aprender este delicioso prato no Curso.

Acho que nunca comentei aqui que andei estudando Culinária neste último ano. Pois bem, agora que o Curso está acabando, resolvi falar. Valeu super a pena. Cada minuto e cada centavo. Aprimorei meus dotes e espero colocá-los em prática agora profissionalmente. Vamo que vamo!!

Mais pra frente falo mais sobre o curso. Sei que ainda tenho muito chão pela frente. Não basta apenas estudar. Preciso de experiências, e jájá sairei em busca delas.

Voltando ao Caldo Verde, neste super frio não pensei duas vezes antes de fazer uma das sopas preferidas do marido. E agora minha também.

  • 4 batatas médias picadas
  • 1 gomo grande de calabresa defumada
  • 1 cebola picada
  • 3 fatias de bacon picado
  • 1/2 maço de couve picada em tirinhas bem finas
Cozinhe as batatas junto com a calabresa (inteira e com a pele) até que fiquem bem macias. Reserve as batatas e a água do cozimento, retire a pele da calabresa e corte-a em fatias, reserve. Frite o bacon até que fique dourado, reserve. Não precisa de óleo pois o bacon solta bastante gordura. Nesta gordura, refogue a cebola até murchar e acrescente as batatas.

Bata esta mistura no liquidificador junto a água do cozimento. Lembre-se que não é um creme, e sim um caldo. Ele não deve ficar muito grosso. Volte este caldo para a panela, acrescente as rodelas de calabresa e o bacon refogado. Aqueça bem e adicione a couve quase na hora de servir. Não deixe a couve cozinhar muito para que não fique murcha e sem cor. Eu gosto dela mais "cocrante". Acerte o sal, regue com um bom azeite e tente comer apenas um prato!!

2 de jun de 2009

Cookies de Chocolate



Adooooro cookies. Da última vez que fui para os EUA, comprava pacotes de crunky cookies, com pedações de chocolate, simplesmete maravilhosos. E eram industrializados mesmo, o equivalente ao nosso Chocooky. Por aqui não temos muitas opções no mercado, e nós, aficcionadas por cookies, saímos perdendo com isso. Mas em compensação, podemos sair em busca da receita de cookies perfeita. E depois de fornadas e mais fornadas, muitas experiências deliciosas!

Só nos blogs amigos podemos encontrar dezenas de receitas de cookies variados, diversos sabores e preparações. Como eu estava encafifafa com os tais dos crunky cookies e concluí que devia fazê-los em casa, busquei uma receita básica para fazer com pedaços grandes de chocolate, e não singelas gotinhas.

Descobri este blog recentemente, sem querer. As amigas blogueiras sabem do que estou falando. A gente nem sabe mais como conhece tantos blogs e acabamos fazendo muitas "amizades". E a receita da Flávia me chamou atenção em primeiro lugar pela foto, deliciosa. Botei a mão na massa e não me arrependi. São perfeitos! Maravilhosos! A receita perfeita de cookies básicos que está guardadinha aqui para repetir sempre!

Segue a receita - que você pode conferir aqui.

  • 330 g farinha
  • ½ col. chá de bicarbonato de sódio
  • ½ col. chá de sal
  • 150 g manteiga sem sal, temperatura ambiente
  • 200 g açucar mascavo
  • 100 g açucar branco
  • 1 ovo + 1 gema
  • 2 col sobremesa de aroma de baunilha
  • 250 g chocolate meio amargo picado


Misture a farinha, o bicarbonato e o sal. Reserve. Na batedeira, junte os açucares e a manteiga. Bata bem até e massa ficar bem fofa e cremosa, uns 5 minutos. Adicione então o ovo, a gema e a baunilha e bata mais uns 3 a 4 minutos. Diminua a velocidade da batedeira e adicione os secos lentamente. Quando os secos estiverem todos incorporados, com uma espátula misture o chocolate picado.
A massa fica bem encorpada mesmo, dá para fazer as bolinhas com as mãos. Distribua as bolinhas em uma assadeira com papel manteiga e leve ao forno 180 Cº por 15 a 20 minutos.

Os cookies vão parecer crus; pois estão bem macios, é assim mesmo. Quando esfriarem, estarão perfeitos. Retire do forno, deixe esfriar 5 minutos na assadeira e retire-os com uma espátula. Deixe-os acabar de esfriar completamente numa grelha ou gradinha. Não guarde os cookies quentes, pois irão murchar.

Os meus não ficaram tão bonitos quanto os da Flávia, mas ficaram maravilhosos! Ficaram mais escurinhos pois usei o açucar mascavo escuro.
Vão por mim! É bão demais!

26 de mai de 2009

Rocambole de Frango



Mais fácil impossível. Não suja muita louça, não precisa picar nada, é rápido e dá uma variada no cardápio!

Além de ficar uma delícia!

  • 500g de frango moído
  • 1 pacote de creme de cebola
  • maionese ou requeijão
  • fatias de presunto
  • fatias de queijo mussarella


Misture o creme de cebola e a carne de frango. Espalhe a misture sobre uma folha de papel alumínio, com mais ou menos 1,5 cm de espessura. Espalhe uma camada de maionese ou requeijão e por cima as fatias de presunto e queijo.
Enrole como rocambole, com a ajuda do papel alumínio. Passe manteiga ou margarina por cima.
Leve ao forno coberto com papel aluminio por 20 minutos. Retire o papel e deixe mais 10 minutos.

O meu foi apenas com uma saladinha! Tava bom demais!

22 de mai de 2009

Espaguete ao atum e azeitonas



Às vezes queremos algo gostoso e fácil de fazer. Quando não dá para ficar horas na cozinha, eu vejo o que tenho na despensa e invento algo.
Latas de atum não faltam lá em casa. Pacotes de massa também não. Acho que perceberam que eu adoro espaguete, né?

Então vira e mexe sai uma massinha com atum. Refogando cebola picadinha e tomates no azeite do bom, até que o tomate desmanche. Daí entra uma lata de atum (sólido, please! É beeem melhor) e o que mais for do seu agrado.
Eu ainda fui de azeitonas pretas, ovinhos de codorna, e finalizei com fios de cebolinha. Ah, e mais azeite por favor!!

20 de mai de 2009

Sopa de Cebola Gratinada



O friozinho está chegando por aqui. E com ele minhas idéias para sopas, cremes e caldos diferentes a cada dia.
Esta sopa de cebolas gratinada é simplesmente deliciosa. Boa para dias bem frios, pois é super quente e cheia de queijo...

Vale lembrar que a sopa de cebolas francesa é diferente da sopa americana. A francesa não carameliza as cebolas e utiliza caldo de aves claro, o que deixa a sopa clarinha, e creme de leite no final, que a deixa aveludada e mais suave.
A sopa americana doura bem as cebolas, carameliza-as com a farinha para que fiquem bem douradas e ainda usa o caldo bovino escuro, temperos como pimenta do reino, o que deixa a sopa bem forte escura.

Eu gosto das duas, acho que cada uma tem a sua graça. Neste dia eu estava bem indecisa e acabei fazendo um mix, o que deu suuuuper certo!

  • 4 cebolas grandes cortadas em julienne (tirinhas)
  • 02 col. sopa de manteiga
  • 02 col. de sopa de farinha de trigo
  • 750 ml de caldo de carne (ou outro da sua preferência)
  • fatias de pão - usei o pão francês, mas com pão italiano fica melhor
  • queijo ementhal ralado q.b.
  • sal q.b.


Refogue as cebolas na manteiga até murcharem e dourarem um pouco. Acrescente a farinha de trigo e cozinhe um pouco, mexendo sem parar. Acrescente o caldo aos poucos, sem parar de mexer até a sopa engrossar. Ela não deve engrossar muito, pois é uma sopa, e não um creme. Acerte o sal.

Distribua a sopa em bowls que possam ir ao forno, coloque as fatias de pão por cima e salpique com o queijo ralaldo. Leve ao forno para gratinar. Se tiver um grill, o resultado será melhor.
Sirva imediatamente. E cuidado para não se queimar!

14 de mai de 2009

Carne de Panela com Legumes



Fazia um tempão que o marido havia me pedido para fazer carne de panela. Para mim, um dos pratos mais reconfortantes, com gosto de saudade, de comida da mamãe. Deixa a barriga quentinha e a alma também.

Esta semana quis agradá-lo, e a mim também, não vou mentir pra vocês que não aguento mais comer salada todos os dias! Decidi que pelo menos uma vez por semana vou sair do grelhado e preparar algo mais gostosinho sem pensar nas calorias. Me deixa mais feliz, bem humorada e alegre, e acho que é isso o que importa!

Bom, quando pensei em fazer a carne, liguei logo para a mamãe. Quem pode entender mais de carne de panela do que as nossas mamas??
Ela me disse para comprar acém, fui logo na dica dela e não me arrependi. Acho que é a carne perfeita para este tipo de cocção. Ela faz com batata, a famosa carne com batata da mãe. Eu coloquei cenoura e mandioquinha.

Carne de panela com legumes



  • 700 g de acém em cubos grandes
  • 60 g de bacon em tirinhas
  • 1 cebola picada
  • 1 dente de alho picado
  • 1 colher de chá de extrato de tomate
  • caldo de carne q.b.
  • sal q.b.
  • 1 cenoura em cubos
  • 1 mandioquinha em cubos


Fiz tudo direto na panela de pressão: fritei bem o bacon (direto na panela, não precisa de óleo). Reservei. Na mesma gordura, selei bem os cubos de carne, até ficarem bem dourados. Frite alguns cubos por vez, se colocar todos de uma vez, a panela irá perder calor, os cubos soltarão água, irão cozinhar e não ficarão fritinhos. Reservei.
Coloquei a cebola (se necessário um pouco de óleo de canola), refoguei bem raspando o fundo da panela para soltar os douradinhos da carne. Adicionei o alho, refoguei mais um pouco. Voltei com o bacon e o extrato de tomate, caramelizei bem e voltei com a carne. Refoguei mais um pouco e adicionei caldo de carne até cobrir a carne.
Levei ao fogo por uns 40 minutos depois que atingiu pressão. Abri a panela (neste momento a carne já estava bem macia), adicionei os legumes, e levei ao fogo por mais 10 minutos na pressão. Aí sim a carne ficou suuuuper molinha, desmanchando e os legumes super suculentos.

Um arrozinho branco bem básico e só! O marido chegou e já sentiu o aroma pela casa: - É carne de panela??
- É sim... Para você ficar feliz e eu também.
- Bota um DVD lá...

12 de mai de 2009

Torta de Sorvete



Essa foi a sobremesa que levei para o almoço de dia das mães na casa da sogra. Fui um sucesso total, cremoso, doce na medida, esta sobremesa não tem erro. É simplesmente maravilhosa e suuuper fácil de fazer. O marido e o irmão são fãs incondicionais deste doce. O irmão diz que é a melhor sobremesa da vida!

Algumas pessoas já devem conhecer esta torta, ela acompanha algumas famílias por aqui e tive a idéia de fazê-la quando vi a receita no livro Carlota - Balaio de Sabores. Uma das coisas que amo neste livro é que além das receitas sofisticadas do restaurante, você também pode encontrar receitas de dia-a-dia, práticas e gostosas.

Vão por mim, quando quiserem fazer uma sobremesa para impressionar a todos, esta aposta é certeira!!!! Aí vão as minhas dicas para não ter erro mesmo:

Torta de Sorvete

primeiro creme
  • 1 lata de leite condensado
  • 1 1/2 da mesma medida de leite
  • 4 gemas peneiradas

Misture tudo e leve ao fogo médio, mexendo sem parar até engrossar. Deixe esfriar.
*Irá virar um creme, quando o creme engrossar você já pode tirar do fogo. Se deixar cozinhar demais ele irá talhar. Use o fogo baixo se quiser.

segundo creme
  • 4 claras
  • 1 pitada de sal
  • 4 col. sopa de açúcar
  • 1 lata de creme de leite gelado, sem soro

Bata as claras em neve com o sal até formar picos duros, incorpore o açúcar e por último, com a batedeira em velocidade lenta, o creme de leite.
Misture este creme ao primeiro creme já frio, delicadamente. Reserve.

calda
  • 1 xícara de açúcar
  • 4 col. sopa de achocolatado (usei chocolate em pó)
  • 3 col. sopa de leite

Derreta o açúcar até o ponto de caramelo. Misture o leite e o chocolate, derrame sobre o caramelo e, sempre em fogo baixo, mexa até formar uma calda bem espessa.
*Aqui eu aconselho tirar o caramelo do fogo e jogar a mistura de leite e chocolate de uma vez, com cuidado pois espirra um pouco e cria um vapor ultra quente que sobe da panela. Aí é só misturar bem para incorporar o creme de chocolate, nem precisa voltar para o fogo.
Eu colocaria ainda um pouco de água, para que a calda não fique tão espessa. O caramelo fica um pouco duro e grudado no fundo da forma na hora de desenformar. Então faça o caramelo com água e açúcar.

montagem
Despeje a calda no fundo de uma forma de buraco no meio e espalhe o creme por cima. Leve ao congelador coberto com papel aluminio, de um dia para o outro.
Para desenformar, retire do freezer uns 15 minutos antes de servir. Aqueça uns dois dedos de água numa assadeira e coloque a forma por uns dois minutos antes de virar. (Eu coloquei a forma direto na boca do fogão e deu certo).

8 de mai de 2009

Risoto de Salmão e Gruyere com Calda de Cream Cheese

Como se não bastasse ter perdido o cabo da câmera que me impediu de baixar as fotos dos meus últimos pratos para postá-los aqui, ainda peguei um baita dum vírus que me atrapalhou a vida.
Agora, com quase tudo resolvido... Estou voltando à ativa!

Este risoto inventei certa vez no supermercado mesmo, em busca de alguns ingredientes para cozinhar. Salmão, gruyere e alcaparras! O que mais poderia dar errado??
Porém, na última vez que o fiz para os amigos, incrementei com uma "caldinha" de cream cheese e cebolinha picada. Posso falar??? Ma-ra-vi-lho-so!!



  • 1 filé de salmão de 400 a 500g
  • 4 colheres de manteiga
  • 1 cebola muito bem picada ou ralada
  • 2 xícaras de arroz carnaroli ou arbóreo
  • 1 xícara de vinho branco seco
  • 1,5 l de caldo de legumes aquecido
  • 50 g de alcaparras
  • 1 xícara de queijo gruyere ralado
  • 4 colheres de cream cheese
  • leite q.b.
  • sal q.b.
  • cebolinha picada q.b.


Tempere o filé de salmão a gosto (eu uso apenas sal), distribua pedacinhos de manteiga sobre ele e asse coberto com papel aluminio no forno por 20 a 30 minutos. A manteiga faz com que ele fique macio e molhadinho. Com um garfo, faça lascas ou desfie. Reserve.

Em uma panela, doure a cebola, até murchar. Acrescente o arroz e misture bem. Adicione o vinho branco e mexa até evaporar. Junte o caldo, aos poucos, uma concha por vez. Quando evaporar, acrescente outra concha e assim por diante, até o arroz ficar al dente, sem parar de mexer. Quando o arroz estiver quase pronto, acrescente as lascas de salmão, as alcaparras e por último o queijo gruyere ralado. Acerte o sal.

Faça uma calda derretendo o cream cheese com o leite. Regue o risoto com este creme e decore com a cebolinha.
Sucesso total!!!!!!!!!!

2 de abr de 2009

Restaurante Tordesilhas

Finalmente falarei sobre o Tordesilhas, restaurante eleito pela Veja como o melhor brasileiro no ano passado. Realmente delicioso. Uma variedade de pratos de diversas regiões do Brasil, e algumas criações da chef Mara Salles, uma mais apetitosa do que a outra.

Ainda bem que fomos num Domingo no almoço, dia de buffet. Então pudemos provar algumas das delícias deste aconchegante restaurante.

O tradicional Pato no Tucupi, prato de Belém do Pará. O tucupi é o líquido extraído da mandioca, que forma o molho deste prato. E a verdurinha é o Jambu, com sabor muuuuiiito diferente, refrescante, que provoca um adormecimento da língua. Eu particularmente não curti. Não gostei do sabor do Jambu, e o pato estava um tanto penoso pro meu gosto. Acho que por ser ensopado, não me agradou.



Depois fomos de Barreado. Aí siiiimmmm eu amei!!!! O Barreado é um prato feito de carne cozida por 12 horas em panela de barro (daí o nome do prato...). É servido com farinha de mandioca para dar aquela "liga", e uma fatia de banana da terra grelhada. A carne desmancha na boca. Simplesmente divino!



Depois provamos o restante dos pratos dispostos no Buffet. Todos maravilhosos!! Provei também o Bobó de Camarão (sem foto), que estava médio, afinal não levava coentro. E para mim, Bobó tem que ter coentro!



Depois desta maratona, ainda tive coragem de pedir a sobremesa. Precisava provar a mais famosa do restaurante. Confesso que não caí de amores, já que se tratava de algo pouco doce. A compota de maracujá meio insossa, o musseline de pequi gostoso, porém em temperatura ambiente (eu ia preferir gelado) e os sequilhos com chocolate um tanto dispensáveis. Mas que é bonito, é!



Ufa!!! Ainda pretendemos voltar!! Gostei demais do restaurante e do ambiente. Tem muitos petiscos e entradinhas super criativas, e alguns pratos que ficamos morrendo de vontade! E da próxima vez vou de doce bem doce!!